quinta-feira, 30 de março de 2017

Caso Adriana Anselmo: Foi correta a substituição da sua prisão preventiva em domiciliar?

Caso ADRIANA ANSELMO Foi correta a substituio da sua priso preventiva em domiciliar
A mulher presa gestante ou com filho de até 12 anos de idade incompletos tem direito a requerer a substituição da prisão preventiva pela domiciliar. É o que estabelece a Lei n. 13.257, editada em dia 8 de março de 2016, que alterou artigos do Código de Processo Penal.
Art. 318. Poderá o juiz substituir a prisão preventiva pela domiciliar quando o agente for:
(...)
V - mulher com filho de até 12 (doze) anos de idade incompletos;
Esta foi a fundamentação que substituiu a prisão preventiva de Adriana Ancelmo mulher do Ex-Governador Sérgio Cabral. Mas será que foi a decisão mais acertada?
As hipóteses de prisão domiciliar previstas nos incisos do art. 318 do CPP são sempre obrigatórias? Em outras palavras, se alguma delas estiver presente, o juiz terá que, automaticamente, conceder a prisão domiciliar sem analisar qualquer outra circunstância?
A presença de um dos pressupostos indicados no art. 318, isoladamente considerado, não assegura ao acusado, automaticamente, o direito à substituição da prisão preventiva pela domiciliar. Além do que na forma da literalidade d art. 318 em comento o juiz “poderá” e não “deverá” realizar a substituição.
O princípio da adequação também deve ser aplicado à substituição (CPP, art. 282II), de modo que a prisão preventiva somente pode ser substituída pela domiciliar se mostrar adequada à situação concreta. Não basta que a mulher presa tenha um filho menor de 12 anos de idade para que receba, obrigatoriamente, a prisão domiciliar. Será necessário examinar as demais circunstâncias do caso concreto e, principalmente, se a prisão domiciliar será suficiente ou se ela, ao receber esta medida cautelar, ainda colocará em risco os bens jurídicos protegidos pelo art. 312 do CPP.
Art. 312. A prisão preventiva poderá ser decretada como garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.
Os atos gravíssimos praticados por Adriana Ancelmo fundamentaram o pedido de prisão preventiva por representarem perigo concreto à ordem pública e econômica e da aplicação da lei penal.
Não houve qualquer alteração na situação fática que fizesse desaparecer os fundamentos da preventiva. A liberdade de Adriana Ancelmo continua representando perigo a ordem pública e econômica além da aplicação da lei penal. Assim os bens jurídicos que se procurou tutelar com a subsunção do art. 312 permanecem em risco, desautorizada a nosso sentir a transformação da preventiva em domiciliar.
As restrições adotadas com a vedação do uso de internet e telefone no imóvel na impede que Adriana Ancelmo Receba visitas em seu domicílio e livremente delibere seus desígnios criminosos. Além do que mesmo a vedação constante na decisão é de duvidosa efetividade prática, quando a fiscalização é de difícil realização.
Inapelavelmente esta decisão liminar do STJ que aplicou a letra da lei sem levar em consideração as circunstâncias concretas do caso, a inalterabilidade das razões que vieram a decretar a prisão preventiva de Adriana Ancelmo, peca ainda pela gritante ausência de isonomia na aplicação da lei.
Existe uma enorme população carcerária de mulheres presas preventivamente e a espera de julgamento na mesma situação de Adriana Ancelmo, ou melhor, aguardando por anos presa acusadas do cometimento de crimes de bagatela, muitos para subsistência própria e/ou dos seus filhos menores. Um sem número delas com filhos menores, na mesma situação de Adriana Anselmo, mas que furtaram o equivalente a 50 reais e não o equivalente a 50 milhões de reais (números exemplificativos - hipotéticos).
Assim Georgina Gonçalves entrou em um supermercado na cidade mineira de Varginha e colocou na bolsa cinco frascos de chiclete de menta a dois desodorantes com aroma para adolescentes. A conta daria R$ 42,00, mas ela saiu sem pagar. Logo que deixou o estabelecimento, foi abordada pelos seguranças, que chamaram a polícia. Os produtos foram devolvidos às prateleiras e Georgina foi presa em flagrante. O fato ocorreu em 18 de fevereiro de 2011. Até este mês encontrava-se presa. Em apertada votação (3X2), o STF a libertou após ter seu habeas corpus negado pelo mesmo STJ que concedeu prisão domiciliar a Adriana Ancelmo.
É tarefa mais que árdua, que requer embriagada dose de argumentos contraditórios para nós que nos propomos a debater o Direito Constitucional, em especial a máxima efetividade dos direitos fundamentais, explicar a mais absoluta ausência de um razoável tirocínio lógico-decisório que o poder econômico pode promover em termos de ausência de isonomia nas decisões judiciais. As discrepâncias que o poder econômico ainda promove em nossos julgados demonstra um Brasil ainda separado por castas onde a isonomia é percebida absurdamente pelo nosso Judiciário como mera tábula rasa.
Finalizemos com o que entendemos ser o principal artigo da Constituição, não a toa o mais conhecido deles e por ironia do destino o mais desprezado pelas autoridades públicas:
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes (...).
Por fim a questão ainda restará enfrentada em seu mérito pelo colegiado, quando esperamos maior discernimento e respeito aos pilares constitucionais da isonomia e da moralidade. Os benefícios processuais existem, mas parecem dirigidos, seletivos, efetivos tão somente para as castas de Poder.

Nossa obra "Controle de Constitucionalidade e Temáticas Afins", em sua 2ª edição, ainda mais robusta, agora com 1048 páginas, poderá ser adquirida diretamente conosco por valor especial, e para os que desejarem com especial dedicatória.
Para saber o valor que disponibilizaremos cada exemplar entrar em contato com o nosso e-mail pessoal: lbsarmento@gmail.com
O frete será por nossa conta! Em caso de interesse imperioso o nome completo do adquirente e o envio do endereço postal de entrega com o respectivo CEP. A disponibilidade pelo valor que estamos anunciando só se manterá enquanto ainda tivermos exemplares, findos os nossos exemplares apenas junto a editora Lumen Juris ou nas melhores livrarias pelos valores por estas praticados.
Aproveitamos para agradecer os inúmeros retornos que recebemos nos parabenizando pelo nosso intento, desde alunos até grandes nomes do nosso direito que nos honraram com suas leituras e palavras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário